Grupos geradores são a solução para estabelecimentos que não podem ter energia interrompida.

Hospitais costumam funcionar diuturnamente. Além do atendimento clínico, eles são mantidos pacientes internados em diversos estados de saúde, em Unidades de Terapia Intensiva ou Semi-intensiva, em enfermarias e em clínicas de urgência e emergência.

Os pacientes são monitoradas permanentemente por aparelhos e, em alguns casos, estas máquinas chegam a suprir alguma deficiência do enfermo funcionando como ajuda respiratória, cardíaca e renal. A Interrupção da energia elétrica pode causar consequências irreversíveis ao paciente, sob o risco de provocar óbitos.

Foi para evitar a perda de vidas que, em 1977, o Ministério da Saúde determinou a presença obrigatória de fonte emergencial de energia em hospitais e clínicas.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) criou um Manual de Segurança no Ambiente Hospitalar, cujo objetivo é auxiliar os hospitais a criarem um plano de emergência durante queda parcial ou total de energia elétrica.

Esse plano estabelece as principais diretrizes para fornecimento das estruturas que devem ser reativadas e as ações específicas na ausência total ou parcial de energia elétrica, além de treinamento específico para os funcionários do hospital de como proceder nestes casos.

 

Grupo Gerador e segurança energética

Tanto a Anvisa quanto o Ministério da Saúde estabelecem que os hospitais e clínicas tenham seu sistema de segurança energética confiável e ativado a qualquer sinal de emergência. Ele deve ser capaz de manter os aparelhos ligados em caso de suspensão da rede elétrica.

É neste cenário, que surgem os grupos geradores para o fornecimento de energia a hospitais e clínicas. Eles serão responsáveis por dar continuidade às demandas de energia quando acionados, sem comprometer os procedimentos cirúrgicos que estejam em andamento e os aparelhos que dão sustentação à vida dos pacientes.

Além de aparelhos de ventilação mecânica, desfibrilador, monitores e outros equipamentos vitais ao paciente, os grupos geradores vão atender áreas comuns como corredores, escadas, elevadores, climatização e iluminação de todo o ambiente.

Outra demanda que deve ser atendida de forma ininterrupta pelos grupos geradores, é a dos laboratórios de análises clínicas que podem estar processando exames, cuja conclusão dependa de energia e ainda de refrigeração para não serem perdidos.

 

Grupo Gerador indicado

Diante da necessidade e da obrigação legal de que todas as organizações hospitalares devem possuir disponibilidade de energia elétrica de forma permanente, sem risco de qualquer tipo de interrupção, investir em grupos geradores torna-se necessidade primária. São fontes de energia complementares que têm sido cada vez mais requisitadas.

O Grupo Gerador indicado para organizações hospitalares, pode variar de acordo com a carga, a demanda energética instalada. Também deve ser considerada a reserva de outro grupo gerador, aumentando ainda mais a segurança no suprimento emergencial de energia elétrica, buscando oferecer sempre 100% de disponibilidade de energia.

Os Grupos Geradores para hospitais devem ser equipamentos resistentes e de alta qualidade, devem ter alto desempenho e oferecer segurança durante todo o funcionamento. Esse tipo de grupo gerador possui um motor a combustão e um alternador síncrono.

O motor do grupo gerador possui acionamento automático e converte energia térmica em mecânica, e o alternador converte a energia mecânica em elétrica.

Para não correr o risco de alguma suspensão energética, o grupo gerador para hospitais é submetido a diversos testes e ensaios de rotina. O objetivo é testar a eficiência e a qualidade da geração e da capacidade energética do equipamento, comprovando se seguem todas as normas técnicas vigentes.

 

Grupos geradores: como podem ser utilizados

O grupo gerador para hospital pode ser utilizado sozinho ou em paralelo com outros grupos de geradores aumentando a potência instalada. Ele é composto por motores a diesel, acoplados a alternadores trifásicos de alta tecnologia, que podem ser montados em mancal único ou duplo mancal, sobrepostos em estrutura metálica devidamente estruturada para suportar peso e vibrações.

Os grupos geradores a diesel, os mais requisitados por hospitais e clínicas, possuem vantagens interessantes. O custo de manutenção é mais baixo, acompanhando o valor do combustível no mercado. Portanto, são mais econômicos.

Esses grupos geradores possuem alta rentabilidade e podem operar por longos períodos, uma peculiaridade fundamental para as necessidades médicas e hospitalares, que não podem ter o fornecimento interrompido de forma nenhuma.

Os grupos geradores utilizados em hospitais têm outra característica diferente. Em um momento de interrupção de energia, os grupos geradores são ativados em até 10 segundos, para que procedimentos cirúrgicos e assistenciais continuem em andamento, assim como aparelhos considerados vitais para os pacientes.

Portanto, as orientações são sempre no sentido de evitar qualquer tipo de oscilação de energia que atrapalhe o funcionamento regular dos equipamentos eletrônicos, principalmente daqueles responsáveis por exames, diagnósticos e sobrevida do paciente.

É importante também obter energia reserva através de grupos geradores de backup com estabilizadores de linha, além de cobertura em todas as áreas críticas do hospital, evitando quedas ou falta energética.

A economia de custos com energia também é um ponto positivo para quem aposta no uso de grupos geradores em horário de ponta ou bandeira vermelha. A conta de energia pode ser reduzida em até 20% do total gasto durante todo o mês.

Com todas as informações disponíveis não há como errar na escolha, é preciso procurar uma empresa de grupo gerador responsável, com profissionais técnicos especializados que poderão indicar a melhor opção disponível no mercado.

A variedade de grupos geradores é grande. Alimentado a diesel, a gás natural, a gasolina ou a combustível oriundo de fonte renovável, o melhor é aquele que se adequa à necessidade do hospital ou clínica, levando em conta o custo-benefício oferecido.